21 Novembro, 2017

webmail

Sessão Solene do Dia da Mulher homenageia intérprete de Libras

 
 
A Câmara de Vereadores realizou, na noite desta quinta-feira (30), sessão solene alusiva ao Dia Internacional da Mulher, comemorado no dia 8 deste mês. A homenageada especial deste ano foi a intérprete de Libras (Língua Brasileira de Sinais), Claudete Maria Tavares Vieira, por sua atuação à frente da causa dos surdos-mudos. A solenidade contou com a participação do prefeito Sérgio Ghignatti, de vereadores, de secretários municipais, de representantes de entidades e das escolas municipais onde atuou e da bateria da Escola de Samba Unidos da Vila.
 
A propositora da homenagem, vereadora Telda Assis (PT), representante das mulheres no Legislativo cachoeirense, ressaltou, em seu pronunciamento, a personalidade da homenageada. “Claudete é exemplo de mulher empoderada, que venceu barreiras sempre com muito otimismo garra e disposição. Mesmo diante do acidente sofrido, quando perdeu uma de suas pernas, assim se manteve. E uma pessoa que dedicou a sua vida ajudando pessoas a comunicar-se, desabrochando no ser a sua dignidade, sempre com amor e alegria, sem dúvida, merece a nossa homenagem”.
 
Na sequência, a vereadora destacou a atuação de Claudete. “Conheci essa grande mulher há anos atrás como rainha de carnaval do Grêmio Náutico Tamandaré. Hoje ela é vice-presidenta da Banda Veterana do clube e membro fiscal da Escola Unidos da Vila. Com cursos de capacitação para atuar nas áreas de deficiência auditiva e intelectual, em toda sua vida esteve sempre envolvida em entidades sem fins lucrativos, sendo uma das fundadoras da Apada (Associação de Pais, Amigos e Deficientes Auditivos de Cachoeira do Sul). Mãe do Pablo, que possui deficiência auditiva, é oficineira de libras e contadora de história, já participou de grupos de teatro de rua e foi patrona de várias feiras de livros de escolas de nosso município”.
 
Emocionada, Claudete agradeceu a homenagem e, com a utilização de objetos para ilustrar sua narrativa, como costuma fazer na contação de história, falou sobre a data. “É com muita satisfação que estou vivenciando esse momento lindo. Hoje o dia amanheceu para mim radiante de felicidade e daí eu me dei conta do quão importante seria a noite de hoje. E que oportunidade! Oportunidade de representar todas as mulheres. Quando fui escrever meu discurso me questionei o porquê de tantas mulheres serem violentadas, espancadas, o porquê de tanto desamor. E para representar esse dia escolhi uma flor, que todo mundo diz que é frágil. Total engano. De um ramo de flor vai sempre nascer outro. E isso é força”, disse.